O Consórcio

Histórico

As belas paisagens da região mais alta e fria do RS impulsionaram a criação de um consórcio turístico com o propósito de impulsionar a economia das cidades.

Assim nasceu o Consórcio de Desenvolvimento Sustentável da Região dos Campos de Cima da Serra (CONDESUS Campos de Cima da Serra), conhecido também por Rota dos Campos de Cima da Serra. Este consórcio constitui-se sob a forma jurídica de associação civil, sem fins lucrativos.

A ideia de se criar um consórcio nasceu após conversas entre os prefeitos recém eleitos, em 2000, e o então Secretário de Turismo do Estado, Milton Zuanazzi.

Em 2001 foi criado, então o CONDESUS Campos de Cima da Serra com o objetivo de desenvolver as potencialidades turísticas dos municípios consorciados. Para facilitar a divulgação no âmbito turístico foi adotada a nomenclatura Rota dos Campos de Cima da Serra.

Buscando suprir outras necessidades dos municípios consorciados no ano de 2017 o estatuto da entidade foi alterado a fim de que pudessem ser realizadas licitações compartilhadas para aquisição de inúmeros bens e contratação de diversos serviços. Desde então a colaboração do consórcio para com os entes consorciados tem trazido grande economia aos cofres públicos. Neste período vêm sendo realizados vários processos licitatórios atendendo diversas áreas da esfera municipal, como por exemplo, a saúde, a educação, a infraestrutura e o próprio turismo.

Atualmente a economia gerada pelo trabalho realizado pelo CONDESUS chega a aproximadamente 30%. Tendo sido economizados no ano de 2019 mais de quatro milhões e quinhentos mil reais.

 

Finalidade

O CONDESUS tem por finalidade a promoção do desenvolvimento sustentável dos municípios consorciados, visando garantir a melhoria da qualidade de vida da população.

Assim sendo são objetivos deste consórcio promover ações de:

– gestão associada de serviços públicos, inclusiva mediante a aquisição de bens e contratação de serviços nas áreas de:

a) agropecuária, agroindústria e mineração;

b) assistência social e habitação;

c) ciência e tecnologia;

d) educação, cultura e desporto;

e) infraestrutura urbana, rural e de transporte;

f) meio ambiente e saneamento básico;

g) planejamento e gestão administrativa;

h) saúde e segurança alimentar e nutricional;

i) segurança pública e cidadania;

j) turismo, patrimônio histórico, cultural e ambiental;

– fomento ás atividade de turismo sustentável, inclusive planejar, adotar e executar projetos e medidas destinadas a promover e acelerar o desenvolvimento de programas turístico, cultural e ambiental da região compreendida pelos territórios dos municípios consorciados;

– resolução de problemas comuns dos entes consorciados relacionados à preservação e conservação do meio ambiente, bem como à produção de diversos setores econômicos da região;

– desenvolvimento sustentável através do manejo adequado dos recursos naturais renováveis, da recuperação de áreas degradadas e enriquecimento das florestas nativas, integradas ao fortalecimento da agricultura ecológica e diversificada, e a usos múltiplos do patrimônio cultural, destacando-se entre estas, a implantação de programas de turismo ecológico, rural, cultural, formais e informais de educação.